Cuide do barrigão
Shutterstock

Na gestação, não tem para ninguém: ela é a mais visada. Chega a sustentar cerca de nove quilos além do que estava acostumada e carrega consigo o bem mais precioso de uma mãe: seu filho. Por isso mesmo, a barriga também é a parte que mais sofre as transformações da gravidez – principalmente distensões, estrias e flacidez. Mas a boa notícia é que com alguns cuidados extras é possível evitar ou minimizar os efeitos indesejáveis que surgem nessa região com a vinda do neném.

Leia também:
É possível se preparar para o parto natural?
Prepare o seio para evitar dores e rachaduras ao amamentar
Florais ajudam a acalmar o bebê

“São várias as transformações que ocorrem na barriga da gestante. A mulher ganha em média um quilo por mês e tem seu fundo de útero aumentado em cerca de quatro centímetros mensais”, revela a ginecologista e obstetra Maria Thereza Rezende. No entanto, nem sempre os efeitos são sentidos da mesma maneira. Mamães de primeira viagem tendem a perceber o crescimento da barriga mais lentamente do que as demais, visto que sua musculatura abdominal nunca sofreu nenhuma modificação desse tipo.

E sabe aquela história de que o formato da barriga determina o sexo do bebê (pontuda para meninos e arredondada para meninas)? É tudo lenda! “A forma depende da posição do bebê dentro do útero materno”, explica a obstetra. Por isso, o jeito é esperar mesmo o resultado do exame para saber como será o enxoval e o nome da criança…

Quando o bebê nasce, aquele espaço antes ocupado por ele não é preenchido e há o que chamamos de sobra de pele

Efeito gelatina e listrinhas

Além do crescimento, a barriga também pode sofrer outras mudanças bem mais desagradáveis. A dupla que é quase um pesadelo para qualquer mulher – estrias e flacidez – se torna muito mais ameaçadora durante a gestação devido à distensão abdominal. “As estrias (mais comuns a partir do sexto mês) são resultado do rompimento das fibras de elastina e colágeno presentes na pele, que é estirada em demasia, sem que haja tempo suficiente para que ela se acostume à nova forma”, afirma a dermatologista Carla Albuquerque, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. E não é só o abdômen que sofre com elas. Coxas e quadris também podem apresentar as temidas listrinhas em decorrência do aumento de peso e inchaço.

Já a flacidez é mais comum após o parto e também ocorre devido ao estiramento excessivo da pele. “Quando o bebê nasce, aquele espaço antes ocupado por ele não é preenchido e há o que chamamos de sobra de pele”, explica Carla. Somente depois de seis meses a barriga começa a voltar ao normal.

Pigmentação na pele

Certamente, você já reparou que muitas gestantes exibem uma linha escura e vertical no centro do abdômen, não é mesmo? Conhecida como “linha nigra”, ela surge a partir do quarto mês de gestação “devido ao aumento do hormônio MSH (hormônio melanocítico estimulante), que leva a uma hiperpigmentação nessa região da barriga”, como esclarece a dermatologista. Mas nada de desespero se você não gosta muito dessa marquinha! Ela costuma desaparecer seis meses após o parto.

×
Faça do Bolsa de Bebê
sua página incial
E também acompanhe: Newsletter